Return

001

Já fazia uma quinzena, um semestre ou talvez mais
Que abandonei as palavras, não as queria jamais
Foi um afastar gatuno, em escassez se apresentaram
Tirando aquele sussurro que a seu ouvido foi recitado

Sequer percebeu que ao mundo meu silêncio foi creditado
E num bailar mudo, as palavras mais uma vez voltaram
Para se libertar revoltosas ao gigante céu noturno 
Vindas do abismo profundo onde inquietas descansaram

A valsa voltou a rodar com o piano que só eu posso ouvir
E como mais ao mundo poderia gritar que as palavras queriam sair?

Juventude, por Desencantado Poeta

Oi, Listando :3

  • Sim, “Juventude, por Desencantado Poeta” é tudo título, quem escreveu foi eu mesma;
  • Poesia surgiu de uma conversa, e curtinha!
  • Só isso mesmo, boa leitura ;P

separador21

bampw-bed-black-and-white-book-books-Favim.com-265536

Nunca houve, nem há de haver
O florescer dos vinte a quem conta
Tão vazio por estar cheio de tudo

Dos arrependimentos passados
Desejo de voltar e repará-los
Não cometê-los – guiar-se

Em desconcertante frustração
Mal pode conter a impiedosa paixão
De ao mundo berrar a verdade

Dance with me, baby

Oi! videozinho pra já deixar no clima 😉

Então, ando ouvindo muito esse tipo de música, daí acabei escrevendo ouvindo essa aí! Não é minha melhor poesia, mas, boa leitura 😉

separador21

Vamos manter o ritmo, meu bem
É um passo, depois dois mais três
Não há o que cavar mais profundo
O lance é uma volta de cada vez

O compasso vai começar de mansinho
Assim leve como quem não quer nada
Mãos a postos e os pés se movem
Se concentre na voz melodiosa

A uma distância entre nós, sorria
É assim que mantemos a conexão
A gente fala, mas há mais o que se escutar
Se concentre no compasso da canção

É um passo, depois dois mais três
A volta final é quando nossos olhos se encontrarem
Então dance comigo, meu bem

“Amor e outras drogas”

  • Existia uma descrição enorme aqui, mas quando editei a categoria o post sumiu como um passe de mágica! Valeu?
  • Título entre aspas por haver um filme com o mesmo nome;
  • Então boa leitura, porque a inspiração de seja lá o que tinha escrito, já se foi!

separador21

119910-Coffee-Shop-

imagem retirada do google

Senta, toma um café
Mas não se demore, volte amanhã quem sabe

Entenda querido, não é uma desistência
Mas é que já não posso mais cair em devaneios
O tempo que nos era por agora já se foi
Aquela ponta solta é porque não nos magoamos o suficiente

Entenda o receio – a tormenta – meu desespero
Porque depois de outros, restou pouco pra me reinventar
As memórias das esperanças enterradas que sorriem
E o futuro que nada revela, por isso conta um passo de cada vez

E sim, é tudo na primeira pessoa do singular
Porque meu eu sempre vai se perguntar os “e se”
E eu sempre vou sorrir por saber que não te quebrei
Que sempre vai questionar tudo como sempre
E sempre, e pra sempre, será minha melhor incerteza

Não se culpe Amor, você sempre foi meu melhor sentimento
E sempre o guardarei com carinho cultivando-o
Quem sabe um dia sejamos fortes o suficiente
E poderemos discutir sobre nosso tempo então

Por enquanto alimento apenas palavras
Perdidas por um mensageiro dos ventos
Passa amanhã quem sabe
Talvez as palavras estejam inclinadas a sentimentos

Catching smoke

tumblr_lxhjogNcaV1r82mp2o1_500.jpg

 

E tinha essa mania doida de passar as mãos nas fumaças

Do café quente de manhã cedinho, ou o feijão ali quentão no almoço

Trazia-as ao rosto e aspirava com um sorriso satisfeito

Deleitava-se deixando a cabeça pender para trás

Rodava pelas curvas que se desdobravam no ar de um incenso qualquer

Como se pudesse bailar nos redemoinhos intocáveis em levianos pensamentos

Serenos e infantis eram esses seus rituais de pegar fumaça

O Vendedor de Almas

Linkin_Park_LOST_IN_THE_ECHO_Official_Music_V

imagem do clipe Lost in the echo, da banda Linkin Park

,,

Foi em um tempo em que as horas não eram mais contadas e poucas vidas restavam

A esperança era um luxo vendido por um homem com uma mala

Ele trazia pedaços de papel que retratavam momentos de pessoas

Dizia ser um vendedor de almas

,,

Sempre onde o desespero e a saudade habitavam, lá longe o jovem homem surgia

Com passos certos e abafados, e olhos vazios que vagavam

Não contava os lugares que havia passado, sequer reparava

Apenas chegava e colocava sua mala ao chão e os esperançosos se arrastavam

,,

Rostos perdidos sedentos por esperança que avançavam nas imagens

Sabiam o que perderiam, conheciam o preço, aceitavam a verdade

Então olhavam, lamentavam e se despediam, e apenas dois papéis então restavam

E assim o vendedor de almas os recolhia sem vê-los e seguia

,,

Até aquele dia ou noite, o tempo já não mais importava

A jovem perdera alguém, mas na vida não se conformara

Quando soube assim de tal milagre estava disposta a perder-se

Mas os olhos do vendedor pela primeira vez encheram-se

,,

Ficou cheio de amor, e da saudade vindoura, tanto que negou lhe a mercadoria

E na estrada surgiu uma amiga, uma mulher, mas descobriria que nunca uma amante

Era noite fria – gelada, pássaros a muito não cantavam, os pés dela foram silenciosos

E quando acordou só papéis restavam

,,

Aos gritos não pôde aguentar, seus olhos eram cheios dela, era demais para suportar

Ele olhou então, ela sorria, e o vendedor de almas assim se rendia

separador21

Inspirado no clipe Lost in the echo – Linkin Park.

Sim, no clipe, porque não procurei a letra! ;P

É isso, beijos meio amargo! E até a próxima :*

Conto de chuva

WP_20151105_19_08_29_Pro (2)

Gostava daqueles dias em que o céu chorava – chovia

Às vezes parecia furioso, com o ribombar de trovões e o clarão de raios

Às vezes parecia triste, fechado. Em uma completa escuridão solitária

Às vezes era assim melancólico, dividido, ansioso por ser tudo

Nessas vezes o sol permanecia não desistente entre as nuvens

Clareava – alaranjada – inúmeras tardinhas nostálgicas

Em que os raios eram embaçados pelos fortes pingos d’água

Sorria como se chuva fosse um conto infantil contado pela avó

Que os antigos sábios velhos lhe contaram

Sobre como a tempestade de mais tarde se formava